Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Cherry

24
Ago17

Já contei à "melhor amiga"

Enviei-lhe uma sms no fim de semana, logo pela manhã - antes que me faltasse a coragem novamente - a dizer apenas que, como não tenho conseguido falar com ela de outra forma, queria informar que iria ser tia em Fevereiro. Curto e direto, que àquela hora não tinha capacidade para fazer floreados 

 

A resposta ainda tardou umas horas mas lá chegou. Começou com a "desculpa" que todos nós alguma vez já usamos para justificar a ausência de respostas: muito trabalho que provoca esquecimento de responder se não se fizer logo que se lê. Deu-me os parabéns e disse que tinha a certeza que eu seria uma ótima mãe. Depois deu a sua "facadinha" que não poderia faltar: é bom saber que alguma de nós está a conseguir seguir com a sua vida para a frente, por este andar estou a ver que irei ficar para tia de todos. Ainda me desejou muitas felicidades e que continuasse a ser feliz, como se se estivesse a despedir.

 

Trocamos mais duas ou três sms a falar sobre o assunto mas a conversa morreu e não voltamos a falar desde então.

 

Tenho pena. Genuinamente. Mas o que poderei fazer?  Pelo menos tenho a certeza que fui eu que lhe contei, não da forma que gostava, mas fui eu.

16
Ago17

Como se conta algo a alguém que já nos foi muito próxima e agora mal falamos?

Sabem aquela pessoa a quem juramos amizade eterna? Que é a primeira pessoa a quem queremos contar tudo e mais alguma coisa? Com quem passamos horas e horas a conversar ao telefone? Ou que temos reuniões semanais para café sem sequer ser preciso marcar?

 

Eu tinha uma amiga assim. E o que eu gostava dela!

 

 

Nós conhecíamos-nos à muito tempo mas aproximamos-nos na escola básica. Tínhamos - e temos - cerca de 3 anos de diferença (eu mais velha e ela mais nova) mas um historial de vida e uma família muitíssimo diferentes. O que, mesmo não sendo falado e assumido, gerava alguma "rivalidade". Houve uma altura em que eu tinha a certeza que ela estava sempre em competição com qualquer pessoa que se aproximasse dela. Ela queria mostrar que conseguia fazer ou chegar a qualquer lado que os outros chegassem ou conseguissem. Muito, penso eu, por causa do seu complexo em ser mais gordinha e por vir de uma "família problemática".

 

No entanto, eu gostava genuinamente dela, por isso simplesmente ignorava esse comportamento. E, durante alguns anos, conseguimos manter a amizade. 

 

Pelo menos até começarmos a seguir caminhos diferentes. A fazer novas amizades - que ela dificilmente aceitava. E a fazer escolhas diferentes das que tínhamos planeado durante divagações em cafés.

 

Lembro-me de ela ser bastante explicita quando eu lhe apresentei o M. No entender dela o meu ex é que era o tal. Não porque me fazia mais ou menos feliz mas sim porque era do nosso grupo de amigos e assim o grupo não precisava de se "desfazer". Houve outra altura em que convidei mais alguns amigos, que lhe queria apresentar, para o nosso café habitual e, quando ela chegou apenas disse "podias ter avisado que vinha mais gente" e foi para a outra ponta da mesa.

 

Situações como estas ditaram o nosso afastamento. E, embora eu continue a ter um carinho muito especial por ela, cada vez mais acho que as competições e as rivalidades foram difíceis de continuar a ignorar e acabaram por se tornar tóxicas para nós. Por isso cada vez penso menos nela como a pessoa a quem quero contar algo em primeiro lugar.

 

E aqui surge o meu dilema: Como lhe conto da gravidez?

 

Isto porque, embora ela não tenha sido a primeira pessoa a quem quisesse contar, queria mesmo ser eu a dizer-lhe - como gostava que assim fosse caso a situação fosse inversa - mas cada vez que pego no telemóvel para a convidar para mais um café que sei de antemão que ela vai recusar, perco a vontade. Tudo porque sei que a noticia vai tornar-se mais uma rivalidade e não no motivo de alegria e comemoração. Vai ser algo que ambas sempre quisemos e que eu alcancei primeiro. Vai ser um motivo para nos afastar ainda mais.

07
Jun17

Não são dois, não são três, nem sequer são quatro...

São seis!

 

O facebook alertou-me que tenho seis amigos que fazem anos hoje  há dias que nem tenho um e hoje são logo seis 

Parabéns malta 

 

Sem nome.png

 

Nota-se muito que não tinha nada melhor para escrever? 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Sigam-me

Mais sobre mim

Calendário

Outubro 2020

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Quando tudo começou
- 08/05/2017 -

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Segue a Tendência

no Facebook

no Instagram